Horizonte de Eventos

Reflexões sobre a vida, o universo e tudo mais

Diário de Bordo: ¡Hasta luego Santiago!

Sete horas da manhã do sábado e lá estava eu de pé. O dia já estava clareando, quando era perceptível a camada de poluição sob Santiago. Tomei um bom banho, tomei café da manhã e comecei a arrumar as malas. O dia seria longo e logo recebi a mensagem de minha amiga Wanessa, que estava a caminho para me levar para conhecer a cidade de Santiago.

As 9h fechei minha conta no hotel, deixei as malas lá e saí com minha amiga Wanessa para conhecer Santiago. Pegamos o metrô e descemos na estação Santa Lucia. Passamos pela Biblioteca Nacional, uma construção muito grande e bonita, mas que somente consegui ver por fora. Dali, fomos ao Cerro Santa Lucia, um forte no meio da cidade, em um dos seus pontos mais altos. De lá pude ver a cidade inteira. Lembrou-me a visão que temos no prédio do Banespa em São Paulo. Para chegar ao topo o caminho e as escadas são bem rústicas, o que me fez perder algumas muitas calorias, além de quase cair umas três vezes, mas vale a pena.

Saindo de lá, voltamos para o metrô e saímos na estação Universidad de Chile, caminhamos um pouco pelo Centro em direção a Plaza de Armas, uma praça grande, cheia de esculturas e cercada de construções históricas. É um lugar utilizado para desfiles e eventos. De frente à praça há a Catedral Metropolitana de Santiago, uma igreja que por fora não chama tanto a atenção como por dentro. Apesar de escura, a catedral era imensa, muito grande mesmo e bonita, com pinturas, esculturas e vitrais muito bem trabalhados. Ao lado dela havia uma pequena capela que, segundo comentado pela Wanessa, morreu um padre durante um incêndio ou algo assim… A capela foi reconstruída e estava, naquele momento tendo uma missa. Um fator interessante é que o local estava praticamente vazio. Parece que não é da cultura chilena frequentar as missas nas igrejas.

Ainda cercando a praça, passei pela sede do Correo, que estava fechado, e depois fomos ao Museo Historico Nacional, um casarão muito bonito e antigo, porém com uma diversidade enorme de esculturas, pinturas e objetos da história chilena. Claro que muitos dos personagens que ali estavam representados eu nunca havia sequer ouvido falar, mas foi muito interessante, havia até uma carruagem no meio do salão. Tendo já passado quase toda minha estada em Santiago na região do Centro, minha amiga resolveu me levar para conhecer a parte nova, e mais nobre, da cidade.

Voltamos ao metrô e fomos até a avenida El Bosque Norte/Sur, uma avenida muito bonita, moderna e limpa. Lembrou-me a Av. Paulista aqui em SP. A tendências por lá são os prédios espelhados e com muito vidro, pois parece que tem vantagens dado o alto índice de tremores e terremos que há por lá. Caminhamos pela avenida por um bom pedaço e depois paramos para tomar um sorvete que, segundo a Wanessa era um dos melhores, senão o melhor de Santiago. A sorveteria chamava-se Fragola e de fato o sorvete era muito bom. Experimentei um sabor típico de lá, algo mais ou menos parecido com nozes, mas que tem outro nome, o qual não me recordo agora. Sentamos numa mesa, tomamos o sorvete e conversamos bastante sobre os velhos tempos, as mudanças em nossas vidas, entre outras coisas. Foi muito bom!

Saindo do Fragola, já estava quase na hora dela voltar, pois tinha um compromisso com o noivo, caminhamos em direção ao Shopping Costanera, que havia inaugurado há apenas 4 dias e ficava ao lado de uma torre que será a maior da América Latina. Com muito pesar, despedi-me da Wanessa, e fui conhecer o shopping sozinho.

Da mesma forma que a torre, o shopping claro, não poderia ficar atrás, e também hoje é o maior shopping, contando com 5 pisos e muitas lojas, principalmente de departamento. O que achei interessante é que cada andar conta com lojas de um determinado seguimento. Isso é interessante, pois podemos ir diretamente onde queremos sem ter que ficar rodando no shopping inteiro. Quem me conhece pode achar estranho eu ter ido em um shopping, pois não sou fã, mas não poderia deixar de conhecer o maior dos maiores, fora isso, não há nada diferente, exceto por várias lojas ainda estarem fechadas e uma cascata com uma queda d’água muito legal, na qual são formadas imagens, muito interessante. Nunca tinha visto tal coisa. Simples e bonito. Até iria aproveitar para almoçar, mas a praça de alimentação estava extremamente lotada, impossível comer ali.

Cansado de tanto andar, saí dali e peguei o metrô em Tobalaba e voltei para a estação La Moneda. Descendo nesta, e com fome, acabei parando no Burger King. Essa parte é difícil para mim… mas foi o melhor sanduíche que comi no Chile. Claro que ao chegar lá, estava desanimado, afinal não curto o grande M amarelo, o tal do Bobs, que de brasileiro não tem nem o nome, e muito muito menos o Rei do hamburger, mas era o que tinha, e eu precisava comer rápido. Entrei lá e me deparei com aquelas fotos dos sanduíches. A primeira coisa que fiz foi procurar e certificar-me que escolheria o que quer que fosse, mas sem abacate. Consegui, havia um sanduíche sem abacate e foi esse mesmo, acompanhado de uma Pepsi. Estava muito saboroso diante dos demais sanduíches que eu havia comido por lá, a carne processada tinha cheiro e gosto de carne… hum… uma delícia!

Ao final, voltei para o hotel, peguei as malas e fiquei aguardando o táxi que estava agendado para me levar ao aeroporto. Neste fui conversando e por sorte a viagem foi tranquila e rápida. Chegando no aeroporto, fiz o check-in, despachei minha mala e fui comprar mais algumas lembrancinhas que faltavam. Fiquei um pouco no Free Shop para passar o tempo e ao aproximar-me do meu portão deparei-me com um Dunking Donuts. Naquele momento minhas papilas gustativas começaram a alvoroçar-se e minha memória, de anos longínquos veio a tona. Parei lá e peguei dois, comi na hora e estavam muito bons. Aproveitei o Wi-Fi e fiquei conversando com a Vanessa e aguardando a chamada de meu vôo.

Diferentemente da ida, o modelo do avião para a viagem de volta era bem menor e também mais apertado, mas apesar de algumas turbulências, a viagem foi bem tranquila. Dessa vez não consegui cochilar, mas pude ler, ver meus seriados no celular e etc. Três horas e cinquenta minutos depois já estava em terras tupiniquins. A saída do aeroporto de Guarulhos também foi tranquila, não tive problemas na Polícia Federal nem nada, felizmente!

¡Hasta luego Santiago!

¡Bien venido Brasil!

Anúncios

Comentar:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: