Horizonte de Eventos

Reflexões sobre a vida, o universo e tudo mais

Diário de Férias: 26/11/2011

O dia amanheceu e nos deu um banho de preguiça. Foi difícil levantar. Aproveitamos para esticar um pouco, afinal estamos de férias, mas não deu para exagerar. Levantamos, tomamos café e nos preparamos para a viagem. A programação do dia era visitar as cidades de Morretes e Paranaguá.

Saímos do hotel por volta das 10 horas da manhã, pegamos o carro no estacionamento, ligamos o GPS e fomos em direção a Morretes. Demos uma paradinha para abastecer o tanque, pois não queria passar apuros no caminho, tendo em vista que não sabia muito bem o que ia encontrar pela frente.

De cara o GPS nos indicou o caminho certo, porém, eu acabei desobedecendo-o, o que nos rendeu um atraso de uns 15 minutos. Meu caminho estava até correto, mas não era o mais rápido e nem o mais interessante para fins turísticos. Enfim, voltamos a obedecer o GPS, pegamos a estrada correta e saímos no Portal da Estrada da Graciosa, caminho para a cidade de Morretes. A estrada não é bem uma estrada, mas sim um caminhozinho pelo mato, mão dupla, de paralelepípedo, com curvas muito sinuosas, mas com uma paisagem de primeira. Para quem gosta de dirigir cercado de natureza, a Estrada da Graciosa, que compreende o caminho da Serra do Mar do Paraná, é uma excelente pedida. Vale muito a pena, mas exige atenção redobrada, pois há trechos e pontes que passam somente um carro por vez. Além da paisagem, a estrada possui postos de atendimento, com banheiros, lanchonete e informações, isso que é foco no turismo!!!

Depois das belas paisagens, chegamos em Morretes. A cidade é bem pequena e, mesmo depois de poucos minutos nela, já não havia muito o que fazer. O caminho compensou a cidade, porém a mesma possui seus destaques, com cachoeiras, rios e cavernas, porém não ficam perto e nem são de fácil acesso, necessitam de guias e são trilhas sob mata fechada. Paramos em um posto de informações, mas nos foi informado que as trilhas levam em média 4 horas, e como já estávamos com fome e depois íamos para Paranaguá, não haveria tempo suficiente. Optamos por deixar o passeio ecológico para outra vez, e fomos procurar por restaurantes, e opções não faltaram. Acabamos escolhendo o Nhundiaquara Hotel & Restaurante. Nele provamos o Barreado, prato típico da cidade, em que a carne é cozida durante mais de 24 horas e depois, quando está desmanchando, é servida com farinha, banana e laranja. Não vou afirmar que é um prato imperdível, pois não tem nada demais, mas ruim não estava.

Saímos do restaurante de barriga cheia, então passeamos um pouco pelas margens do rio, onde haviam casas de artesanato, sorveteria e um jardim com banquinhos bem interessante para relaxar. Tudo muito simples, mas muito bom.

Depois de relaxar um pouco, rumamos para Paranaguá. Foi mais uma hora e pouco de trajeto desde Morretes. Ao chegar em Paranaguá percebemos que a falta de sinalização não era privilégio somente de Curitiba. Fomos em direção ao Centro Histórico e, se não fosse o GPS nem chegaríamos lá, e nem saberíamos o que fazer nesta cidade, porque não há placas. Passamos pelo comércio local, tentamos sem sucesso visitar o museu da cidade e paramos no Mercado Municipal, que foi uma decepção, pois o local é muito mal aproveitado e não possui nenhum diferencial. Depois, atravessamos caminhando a ponte para a Ilha de Valadares, um lugar muito simples, com pessoas simples. Como não havia o que fazer por lá, voltamos. Caminhamos um pouco pelas margens e, como já era tarde, acabamos voltando para Curitiba. Na volta, pegamos a estrada que vai direto, sem passar por Morretes, o que nos rendeu um pedágio absurdo de R$ 13,00, o que não foi surpresa, pois a concessionária é a Ecovia, do grupo EcoRodovias, o mesmo que sustenta o valor também absurdo de pedágio para a Imigrantes/Anchieta.

Já em Curitiba, quando chegamos no Hotel começou a cair muita chuva. Depois de um dia de muito calor, a chuva veio com vontade. Nosso plano era ver o Natal Luz do HSBC, mas com chuva seria impossível. Assim, mudamos os planos e acabamos decidindo por ir no Outback que é garantia de boa comida, e de quebra conhecemos o Shopping Curitiba.

Artigos Relacionados:

Diário de Férias: A Preparação

Diário de Férias: 24/11/2011

Diário de Férias: 25/11/2011

Diário de Férias: 27/11/2011

Diário de Férias: Conclusão da Viagem

Diário de Férias: Fotos da Viagem

Anúncios

5 responses to “Diário de Férias: 26/11/2011

  1. Pingback: Diário de Férias: 27/11/2011 « Diálogos sobre Cultura, Tecnologia e Ciência

  2. Pingback: Diário de Férias: 25/11/2011 « Diálogos sobre Cultura, Tecnologia e Ciência

  3. Pingback: Diário de Férias: 24/11/2011 « Diálogos sobre Cultura, Tecnologia e Ciência

  4. Pingback: Diário de Férias: A Preparação « Diálogos sobre Cultura, Tecnologia e Ciência

  5. Pingback: Diário de Férias: Fotos da Viagem « Diálogos sobre Cultura, Tecnologia e Ciência

Comentar:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: